sexta-feira, 1 de janeiro de 2010

MISTERIOSA ATRAÇÃO


Sempre me perguntei o que realmente se escondia por trás do olhar felino de Damiana. Um olhar ousado, gentil, atraente e ao mesmo tempo perturbador. A maneira como ela me fitava, seu sorriso, seus gestos, tudo nela me fazia acreditar que ela era a perfeição em pessoa. A primeira conversa que traçamos foi numa noite fria e mergulhada em névoa. Como em todas as ruas da cidade, eu vinha caminhando atento, quieto e apenas sentindo o coração gritar na região das têmporas, quando senti um arrepio me acariciar a alma, e um medo avulso me invadir. Olhei ligeiramente para trás e vi apenas a rua deserta, cheia de sombras e penumbra. Mas quando passei por um beco escuro, senti que uma figura se projetava as minhas costas. Espantei-me, mas por sorte, era ela.

Aproveitando-me desse momento, convidei-a para sair, e no outro dia nos encontramos num café que descansava no térreo de um edifício sombrio e antigo. O estabelecimento era pequeno e com pobres detalhes de lucidez. Enquanto lia o cardápio, não percebi Damiana entrar e só notei sua presença quando dirigiu a palavra a mim.

― Veio cedo...

― Não costumo me atrasar ― sorri e beijei-a. ― Você está linda.

Nessa noite conversamos e bebemos aos montes, até que em certo momento, como num impulso, ou valendo-se de minha artimanha masculina, convidei-a para brindar a noite e ir até o meu apartamento. Ela aceitou, e quando chegamos, Damiana admirou-se ao contemplar os contornos dos móveis e dos cômodos.

— Você tem bom gosto — disse ela, passeando os olhos para todos os lados.

Não agüentamos por muito tempo. A despi com paciência, e assim que ela obedeceu ao mesmo procedimento, seu corpo nu roçou meus lábios e, antes de cairmos num sono profundo, entregamos-nos um ao outro como a doçura de um hálito de prazer.

Ao acordar, percebi que o alvorecer se apresentava quando uma tira de luz do sol veio acariciar minha face. Abri os olhos e tateei a cama ao meu lado. Damiana não estava lá. Levantei ligeiro e não notei sua presença dentro do apartamento. De roupão, andei pelo corredor e, sobre uma cômoda, observei um pedaço de papel em cima de uma folha de jornal velho. Tomei o papel em mãos e li aquelas malditas palavras:

“Espero que tenha gostado desta noite assim como eu, e desejo que não permita que seu coração se apegue assim, pois eu não pertenço a você, nem a ninguém.”

Sem entender, peguei a folha de jornal e li uma reportagem que me fisgou, corroendo-me de susto. Não acreditei. A matéria dizia que uma jovem havia sido vitima fatal de um acidente de carro, e que o fato, como explicitava a data do jornal, era de quase dez anos atrás. Atônito, quase cai de costas quando vi o retrato de Damiana ali exposto. Ela estava morta há quase uma década! Mas então quem era aquela garota? Com quem eu realmente eu havia estado na noite anterior? Larguei rapidamente aquela folha amarelecida, e após me aprumar, desci as escadas em busca de fôlego e de respostas.

11 comentários:

Lara disse...

Parabens dear! Gostei muito e estou no aguardo de mais contos que sei que virao cada vez melhores...
Keep going!
Bjs

Breno Andrade disse...

Cara, confesso que me espantei com seu blog. Foi um espanto bom é claro, mas eu queria comentar que você escreve divinamente bem, pelo seu estilo, acho que quer ser roteirista ou cronista e está indo por um caminho muito bom. Tem duas coisas fundamentais que um blog tem que ter: CONTEÚDO, e diga-se de passagem, um excelente conteúdo e ORGANIZAÇÃO. Parabéns, dou nota 10!

Rafael disse...

História muito boa!!!
Parabéns

Renato disse...

Muito Bom !!!

Vou ter que admitir que eu não sabia que você escrevia tão bem. hehe..
Parabens mesmo..

Dai Freire disse...

Bah... eu sabia que você escrevia bem, e a história de hoje está muito bom mesmo... Sucesso com a coluna!!! Beijos da Dai

Denise Andressa disse...

Gostei muito! Sua narração é muito boa e rica.
Parabéns!!!

Luis Filipe disse...

muito bom esse conto, mesmo sendo curto, consegue prender o leitor, muito bom blog!

Caroline Lazzari Manfio disse...

Oba, tava na hora de retomar aos blogues! Espero tuas postagens!

Ana Rita disse...

Nossa adorei seu trabalho adoro ler livros de suspense, ta de parabéns muito obrigada de nos oferecer novas histórias beijoss

Aline disse...

Históriias muito booas ;)
misteriosa atração foi minha prefereida
Parabéns!
Beeijos

Rafael disse...

Gostei da linguagem, as palavras foram bem utilizadas e tiveram um ótimo impacto. Aí Marcelo, quero uma história de terror policial. Abraço